Skip to content

O meu guri – Chico Buarque

15/09/2011

Intérprete – Chico Buarque

Compositor – Chico Buarque

Ano de divulgação – 1981

Álbum – Almanaque

letra e música – http://letras.terra.com.br/chico-buarque/66513/

“Já foi nascendo com cara de fome. Eu não tinha nem nome pra lhe dar”

Qual o pai que não sonha em dar uma boa vida para seu filho? A canção O meu guri, de Chico Buarque conta, através relato do próprio pai, esta realidade.

A letra da canção mostra que o guri é nascido em uma família pobre, que mora na favela e que apesar do esforço do pai, a esperança de que o filho tivesse um bom futuro era muito pequena, mas o garoto surpreende a todos, principalmente ao pai, que vê que o filho conseguiu ter um futuro realizado, com emprego, dinheiro e boa vida. Apesar de todas estas conquistas, o guri não se esquece de seu pai e da educação que recebeu, trazendo imenso orgulho ao seu progenitor.

Almanaque (1981) – disco que traz “O meu guri”

As referências do passado e do presente são bem destacadas pelo pai. Se antes era o pai que colocava o guri para dormir, agora a situação se inverteu.

A desigualdade social está presente na música, mas o ar de humildade do pai e do guri mostra que, apesar das adversidades, é possível ser feliz e orgulhoso sendo pobre ou rico.

Anúncios

From → Músicas

15 Comentários
  1. eu creio que na verdade a música não é narrada pelo mais, e sim pela mãe do “guri”. Vide a parte em que o filho presenteia sua mãe com correntes de ouro, bolsa e um lenço.

  2. Tem que refazer essa análise. A música não fala nada disso. A mãe, quem narra a música, acredita e tem orgulho do filho, sim, mas é ingênua ou não se importa com o fato de que o filho era mais um no meio de tantos que são retrato social da violência das ruas.. até que ela diz “Chega estampado
    Manchete, retrato
    Com venda nos olhos
    Legenda e as iniciais
    Eu não entendo essa gente
    Seu moço!
    Fazendo alvoroço demais
    O guri no mato
    Acho que tá rindo
    Acho que tá lindo
    De papo pro ar
    Desde o começo eu não disse
    Seu moço!
    Ele disse que chegava lá”

  3. Carla Marcelle permalink

    Acredito que não seja bem isso que a letra mostra,é bem o inverso.

  4. maiara brazilio permalink

    a musica tratase de uma mae que ve seu filho de outra maneira,mas na verdade ele rouba a vizinhança, ele a presenteia com presentes de todos os tipos e ela acha q ele e santo

  5. camila permalink

    Na verdade, a música consta que o menino nasce na favela de família pobre, e que não tinha não tinha nem nome, mostra também que a mãe achava que o menino era santo e ganhava as coisas com seu proprio esforço, mas na verdade ele roubava nas ruas para presentear “sua mãe”, que lhe deu educação e que sonhava com um bom futuro para ele, apesar deles não terem condições financeiras para isso! Consta na música a desigualdade social e o que um menino inocênte, que nem sabe que é gente, faz de tudo pra alegrar sua mãe.

  6. Já vi outras interpretações dessa letra, sem dívida é uma história de uma tragédia tão trágica que nem os próprios internenientes se apercebem da sua gravidade, a ilusão da mãe que o seu filho era alguém ou que lutava pra ser algém quando para ele o ser alguém passava por conseguir sobreviver e tentar dar algumas alegras á sua pobre mem concerteza analfabeta e fora da realidade do que é ter uma vida digna, Triste história infelizmente tão real e tão comum.

  7. Chiquinho da permalink

    Não tem nada a ver a explicação. Na realidade quem narra a musica é a mão do guri.

    Quando seu moço nasceu meu rebento,
    não era o momento dele rebentar,
    já foi nascendo com cara de fome,
    e eu nem tinha nem nome pra lhe dar,
    como fui levando não sei explicar,
    fui assim levando ele a me levar
    e na sua meninice ele um dia me disse que chegava lar .

    “(Nesse trecho ela estava gravida, e teve o bebe prematuro, como não estava aguardando o filho tão rápido assim, não estava preparada pra nada nem nome do filho ainda não tinha escolhido, mesmo assim foi levando a vida como podia, e o menino vendo a dificuldade da mãe disse que venceria na vida)”

    Chega suado e veloz do batente
    E traz sempre um presente pra me encabular
    Tanta corrente de ouro, seu moço
    Que haja pescoço pra enfiar
    Me trouxe uma bolsa já com tudo dentro
    Chave, caderneta, terço e patuá
    Um lenço e uma penca de documentos
    Pra finalmente eu me identificar, olha aí

    “(Nesse o menino chega no morro sempre suado, e sua mãe pensando que ele estava trabalhando, quando na realidade estava praticando pequenos roubos, tanto que ele sempre traz algum produto de roubo pra ela, corrente de ouro, e inclusive uma bolsa com documentos, e a mãe sendo analfabeta pensa que os documentos são dela, para que posso ter uma identidade)”

    Chega no morro com o carregamento
    Pulseira, cimento, relógio, pneu, gravador
    Rezo até ele chegar cá no alto
    Essa onda de assaltos tá um horror
    Eu consolo ele, ele me consola
    Boto ele no colo pra ele me ninar
    De repente acordo, olho pro lado
    E o danado já foi trabalhar, olha aí

    “(Mesma situação, mas agora ele já começa a praticar roubos maiores e mais ousados, esse carregamentos que diz na musica nada mais é do quantidade muito maior de produtos. E a mão preocupada com filho com medo de assalto, quando na realidade ele é um assaltante. Mas mesmo sendo bandido ele tem um coração e sempre esta consolando a mãe, que sempre também acaba dormindo, e quando acorda ele já saiu para praticar mais roubos, e ela sempre pensando que ele esta indo trabalhar)”

    Chega estampado, manchete, retrato
    Com venda nos olhos, legenda e as iniciais
    Eu não entendo essa gente, seu moço
    Fazendo alvoroço demais
    O guri no mato, acho que tá rindo
    Acho que tá lindo de papo pro ar
    Desde o começo, eu não disse, seu moço
    Ele disse que chegava lá

    “(Finalmente, como a maioria dos criminosos, ele também acaba sendo pego, aqui não diz se pela policia ou por outro bandido. E note que ele ainda era menor de idade quando morreu, por isso a venda nos olhos para que não seja reconhecido, e as iniciais do seu nome para que não seja identificado também, e como ele sai no jornal, sua mãe como eu disse anteriormente, sendo analfabeta, pensa que o filho é importante por sair no jornal, e acreditando que mesmo morto ele chegou onde na sua meninice disse que chegaria)”

    Olha aí, olha aí
    Olha aí, ai o meu guri, olha aí
    Olha aí, é o meu guri

    • Elídia permalink

      Perfeito! Estranhei quando vi outra análise feita pelo dono desse blog. É exatamente essa a correta interpretaçao dessa extraordinária letra.

    • Claudio Aragão permalink

      Perfeita a interpretação: nascido prematuramente e de uma mãe pobre, o Guri passa a cometer pequenos e mais tarde grandes furtos dos quais sua mãe inocentemente não sabia. Não obstante o ser um marginal, o Guri fazia de tudo para agradar sua mãe mas por fim, o Guri que é menor de idade acaba morto num mato, fruto de seus delitos. Uma triste história!

  8. cLEIDIANE permalink

    FIQUEI CONFUSA COM A ANALISE DESSA MUSICA,POIS AO QUE PARECE O MENINO NÃO SE TORNOU BEM SUCEDIDO,MAS UM ASSALTANTE.

  9. Marisa permalink

    Concordo que ele se tornou um assaltante, sempre tive esta interpretação, e isso fica claro no trecho em que relata sua imagem estampadas em manchetes, com venda nos olhos e as iniciais, reforça mais a idéia de que ele praticava atos ilícitos, pelo contexto, roubos.

  10. Andréa cp permalink

    Acho q não compreendeste!! É uma belíssima música, q retrata a história de um jovem q se envolve com a criminalidade como forma “sub-existência” (subsistência)… “Tanta corrente de ouro, seu moço. Que haja pescoço pra enfiar. Me trouxe uma bolsa já com tudo dentro. Chave, caderneta, terço e patuá”

  11. Micaele messias permalink

    ox to procurando “como é a vida desse menino

  12. Adriana de Maria permalink

    A musica é um relato da MÃE (Quando seu moço nasceu meu rebento, não era momento dele REBENTAR… me trouxe uma bolsa ja com tudo dentro… eu consolo ele, ele me consola ponho ele no colo pra ele me ninar) na favela é muito comum as mães serem solteiras e a figura do provedOR que não é um homem e sim uma criança com responsabilidades de adulto. O final mostra que é comum crianças morrem daquele jeito e que ele sabia desde sempre. A intensão é mostrar o outro lado das situações policiais, eu axo…
    Mãe de “mirim” não é menos mãe que as outras a situações que são diferentes.

    Chico é um Gênio!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: